sexta-feira, agosto 26, 2005

Project Santo Amaro


Santo Amaro do Maranhao is a municipality located in the northeastern region of Brazil, more precisely in the eastern coast of the State of Maranhão, at the boundaries of the National Park of Lençóis Maranhenses. Recently emancipated in 1994, Santo Amaro has a population of approximately 10,000, and is on the list of the 10 poorest places in Brazil. Its HDI (Human Development Index) is only 0.512.

With a unique natural beauty unlike anywhere else in world, its urban and rural areas represent more than 40% of the area of the National Park of Lençóis Maranhenses. The park is formed by thousands of sand dunes, comprising a total of 155,000 hectares, interspersed with lagoons of natural and crystal clear water, presenting characteristics that make it different from other places of the Brazilian coast. Its flora and fauna are very rich, presenting rare species, such as the albino fox. It preserves a unique ecosystem of dunes, mangroves and sandbanks, revealing a large potential for tourism and development of scientific research oriented towards environment conservation, handling and monitoring.

Productive activities of the region are concentrated in the primary sector, represented by agriculture (rice, beans and cashew nuts) animal farming (cows and goats), fishing and vegetal exploitation. The means of production are of extensive nature, using primitive techniques and presenting poor levels of productivity. Fishing is very much season oriented, affected by the volume of water of the lagoons, which overflow in the rainy season.


The proximity of Highway MA-402 that was recently built will certainly alter substantially the environmental and socio-economic picture of the region. The major access way to Santo Amaro lies 34 km away from this Highway. Access is gained only through four wheel drive cars, since the road is not paved. During rainy seasons, from March to June, the road is flooded and access is restricted to the river transportation, which takes too long and is precarious.

There is a strong discussion in progress on the need of paving these 34km of sand. To build or not to build the road that connects Santo Amaro to Highway MA-402? That is the question.

There is no doubt that the road will bring many benefits to the municipality. The isolation of Santo Amaro has long prevented local development, according to the point of view of the community.

Very well. The issue that I raise is not if the road will bring development or not. But instead what type of development the municipality will be bringing upon itself.


Despite the difficult access and the little that is known of the place, the pressure of tourism on the price of the land and upon future candidates to Mayor has already started. Even worse, there is a deficit of housing for local inhabitants. There are no houses ready to be inhabited. There is not one single public policy being prepared to protect the area of the National Park of Lencois Maranhenses. The Park was created in 1981 and only now is the plan for handling it being approved by the Ministry of Environment.

The town has no plumbing. The water is pumped from wells in the residents’ backyards. Sewage goes to non-septic tanks or to the traditional backyard privies, and also many of them are simply made in the grass, exposed to the air, therefore absent of basic sanitation.

Is the road really going to solve all these issues, as the community dwellers expect?

Matters of water and sewage depend very little on the road to be solved. Public policies do not depend on access to be enforced. Environmental protection has to be made on site. Sound and visual pollution and lack of garbage collection do not depend on the pavement issue to be resolved.

It is obvious that a paved road facilitates the structuring and solving of all the issues raised above. However, if it does not come accompanied by a true policy contemplating the fundamental aspects of sustainable development, and by the pertinent bodies to monitor these matters, all that the road will bring in the long run is acceleration of disorganized development and a worsening of ill resolved social problems.



Santo Amaro is just beginning a long process of consolidation as a tourist destination. Nevertheless, many problems as those mentioned before can already be noted. The place becomes a popular tourist destination and is promptly consumed. The destination is therefore destroyed, driving away the tourists to other places that are in vogue. Examples of this exploitation are numerous in Brazil. And the wheel of ignorance keeps turning, ironically, through the same road that would bring progress.

And the worst thing is that the community, which is always deprived, is kept at the margin of an actual sustainable development process, perpetuating the conditions that make Maranhão um of the States with the poorest HDI of Brazil and of the World.

Ecotourism, one of the most feasible tools to break this cycle of social exclusion is one more time biased in favor of interests restricted to the local elite.

How can there be so much poverty in an environment of such exotic beauty?


That is easy to answer. What is not easy is to alter the vicious social picture being perpetuated there. At the same time, the natural resources suffer an indiscriminate pressure from tourism, in detriment of the greatest factor of attractiveness of the place and endangering species threatened with extinction.

I have battled to make government, city administration, associations, public works agencies, non-governmental organizations and the community itself be conscious of the type of development that they indeed want. I have given lectures on the subject, promoted discussions with the community, and talked to local leaders. I prepared a Plan of Sustainable Tourism Development for the municipality, encompassing al these that I have so vehemently spoken. Some of these ideas are being analyzed and have a good chance of being implemented by PRODETUR NE, a federal government program for the development of tourism in the Northeast, supported by Inter-American Development Bank.

I believe that the IDCE program will equip me with strategies necessary to transform this situation by enhancing my technical-scientific knowledge to catalyze these changes. I have realized that only commitment is not enough to make the changes happen. A more precise theoretical basis together with the day to day practice in several fields is required for me to become an agent for transformation.

Is the Road to Santo Amaro do Maranhao the Best Way?



It is a fact that the creation and paving of roads has always been a synonym of progress. Isolated places have been connected to larger commercial centers, lighting arrived, plumbing, big city products, and trucks carrying with them the hope for better days. But every rule has its exception. Every progress has its price. The road also brings impairments that are typical of large cities: garbage accumulation, since the host town is not prepared to deal with this issue, causing illness, audio and visual pollution, the swelling of entire districts and the progressive deterioration of the environment, not to mention so many other problems. Examples we have plenty.

That is the question: to build or not to build a road in the small segment of 20 miles that connects Rosarinho, beside BR 402 (entirely paved, connecting São Luis to Barreirinhas, another entrance to Lençóis Maranhenses) to the municipality of Santo Amaro do Maranhão, an ecological sanctuary of immeasurable richness, also another entrance to Lençóis, even more preserved?
The truth is that the road is already at the door of Santo Amaro. What are 20 km of sand compared with the nearly 100 miles of quagmire and shale that separated the municipality from the paved road? The only “disadvantages” that I see are the little longer time spent to reach Rosarinho and the lack of frequency of the Toyotas that connect the town to the BR. But that can be easily solved. The 40 minutes the inhabitants may gain with the paving of the road are not going to bring a lot of improvement to their lives. If they complain that the access is difficult for it being a road only possible for four wheel drive cars, why not increase the frequency of the Toyotas? I suggest the creation of a large Portal at the entrance to Rosarinho, where the tourists’ cars would be parked, and from where 4X4 cars would be used to reach Santo Amaro.



Anyone wishing to use his own pickup pays a toll. There a convenience shop would be installed, and an environmental education post, where instructors would coach the visitors on the basic cares of preservation. New jobs would be created and “farofeiros” without environmental conscience would be prevented from visiting the site, leaving garbage and not generating any revenue to the town, since they come and go on the same day and bring everything from home, not consuming anything local.


Even if the road were paved, the local population (that makes the biggest claims for the road) would not have money to buy motorized vehicles. Unfortunately this is an actual fact. He who can afford a vehicle generally already has a 4X4. After all, for what and for whom is this road supposed to be?

A place like Santo Amaro do Maranhão, of huge tourist potential, of rare beauty, of places still untouched by man, cannot afford to have this small segment paved without having in the other hand a coherent mechanism of environmental protection that may generate a true progress. Tourism, maybe the best alternative for development of the town (provided it is sustainable) has in the tourist attractions the soul of its business. It is the perpetuation of natural tourist attractions that makes Santo Amaro an unique and differentiated place, capable by its own of generating demand. Who is going to leave São José do Rio Preto, travel miles and miles, change planes, spend a lot of money, to see such fantastic beauty in a state of degradation? Charm is the way. It is the obstacles to be surpassed that please the fantasy of the visitors’ minds.

It is this small segment of difficult access that separates Santo Amaro from this “illusory progress”. That is what makes Santo Amaro the hidden paradise of Lençóis. That is what separates Santo Amaro from a disorderly development, generating land speculation, pollution, destruction. It is therefore the lack of the road that will bring progress to Santo Amaro.

However, the non-road is also not a synonym of preservation and development. A plan of sustainable touristic development is welcome. There should exist an Urban Master Plan, despite the small population of the place. There should exist integration of tourism with other sectors of the local economy, such as agriculture, exploitation of natural resources, fishing, artisan work, so that these activities may keep on existing and pressing the tourism system. It is precisely with the coming of tourism that the demand for these products is increased. This also prevents the peaks and depressions caused by tourism seasonality. An architecture in harmony with the local nature (made of local products) not only does not injure the environment but generates income and jobs, creating a multiplier effect on the local economy. The money from the buriti straw sold by seu Quincas to the inn of seu João, who bought one kilo of farinha from dona Maria, who bought one kilo of fish from seu Rodrigues, who bought one dose of cachaça from seu Docas (one dose, since nobody is made of iron. Let it go to the Saint, preferably Amaro) and so on.

Thus, it is about time to think of not paving this road. Making the population aware of the immense risk, as well as the participation of the NGOs, universities, and letters like this one will help and press the local leaders to take the most coherent decision: that of good common sense.

sexta-feira, agosto 19, 2005

Projeto Santo Amaro (Português)




Santo Amaro do Maranhao é um município localizado na região nordeste do Brasil, mais precisamente no litoral oriental do Estado do Maranhão, no limite do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Emancipado recentemente (em 1994), Santo Amaro conta com uma população de aproximadamete 10.000 habitantes e está na lista dos 10 mais pobres do Brasil. Seu IDH (Indice de Desenvolvimento Humano) é de apenas 0,512.




Com uma beleza natural única no mundo inteiro, a área urbana e rural do município representam mais de 40% da área do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. O parque é formado por milhares e milhares de dunas, perfazendo um total de 155.000 hectares, entremeadas por lagoas de água cristalina e natural, apresentando características que o difere de outros locais da costa brasileira. Sua flora e fauna são riquíssimas: apresenta espécies raras como a raposa Albina. Preserva um ecossistema único de dunas, manguezais e restingas, revelando um potencial para o turismo e o desenvolvimento de pesquisas científicas voltadas para a conservação, manejo e monitoramento ambiental.




As atividades produtivas desenvolvidas na região concentram-se no setor primário da economia, representadas pela agricultura (arroz, feijão, mandioca), pecuária (bovinos, caprinos) , pesca e o extrativismo vegetal. Os meios de produção são de natureza essencialmente extensiva, empregando técnicas rudimentares e propiciando baixos níveis de produtividade. A pesca tem um caráter fortemente sazonal, caracterizada pelo volume de água dos lagos que transbordam na época chuvosa.



A proximidade da rodovia MA-402 que foi construida recentemente deverá alterar profundamente o quadro sócio-econômico e ambiental da região. A principal via de acesso a Santo Amaro fica à 38 km desta rodovia. O acesso é feito somente via carros traçados pois não existe pavimentação. Nas épocas de chuva, de março à junho, a estrada fica alagada. O acesso por sua vez fica restrito à entrada fluvial, esta muito mais demorada e precária.

Há uma forte discussão presente sobre a necessidade de se pavimentar esses 38 km de areia. Contruir ou não a estrada que liga Santo Amaro à rodovia MA-402 ?. Eis a questão!

Pois bem! A questão que eu coloco não é se a estrada trará ou não desenvolvimento. Mas sim, que tipo de desenvolvimento o municipio estará favorecendo para si.




Apesar da dificuldade do acesso e da pouca divulgação do local, a pressão do turismo sobre o preço de terras e sobre futuros candidatos à prefeito, já começou. Para piorar o problema, há um déficit de residências para os moradores locais. Não há casas prontas para a população morar. Não há sequer uma única política pública em andamento que proteja a área do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. O Parque foi criado em 1981 e somente agora o plano de manejo foi homologado pelo Ministerio do Meio Ambiente.

A cidade não tem água encanada. Todo o abastecimento de água é feito através de poços existentes no quintal das casas, com água retirada com o auxílio de bombas. As necessidades fisiológicas são feitas em fossas negras ou então nas tradicionais sentinas de fundo de quintal, sendo ainda bastante significativo o número de residências que o fazem ao relento, protegido pela vegetação, não havendo portanto saneamento básico algum.
Será que a estrada vai realmente resolver todas essas questões como esperam os moradores da comunidade?

Questões de água e esgoto dependem muito pouco da estrada para serem resolvidas. Políticas públicas não dependem de acesso para serem executadas. A proteção do meio ambiente deve ser feita in loco. Poluição sonora, visual e para não dizer a falta da coleta de lixo não dependem de acesso para serem resolvidas.

É lógico que uma estrada pavimentada facilita a estruturação e o andamento de todas as questoes suscitadas. Entretanto, se ela não vier acompanhada de uma verdadeira política que contemple aspectos fundamentais de desenvolvimento sustentável e órgãos competentes que fiscalizem e monitorem essas questões, tudo que a estrada trará à longo prazo é uma aceleração do desenvolvimento desordenado e uma agravamento das mazelas sociais que serão mal-resolvidas.




Santo Amaro está apenas no início de um longo processo de consolidação como destino turistico. E, no entanto, muitos problemas como os citados acima já são perceptíveis. Desta maneira, estao inúmeros destinos turísticos espalhados no Brasil inteiro. O local vira moda, e por ser muito procurado, é prontamente consumido. O destino se auto-destrói afugentando os turistas para outros locais de moda. E assim sucessivamente. Exemplos não faltam. E a roda da ignorância se move. Como ironia do destino, pela mesma estrada que afirmaram trazer o progresso.

O pior é que a comunidade sempre tão carente continua à margem de um verdadeiro processo de desenvolvimento sustentável, perpetuando a condição que torna o Maranhão um dos estados com o menor IDH do Brasil e do Mundo.

O ecoturismo, uma das ferramentas mais viáveis para alavancar e romper com esse ciclo de exclusão social, é mais uma vez enviesado em prol de interesses restritos à elite local.

Como explicar tanta pobreza em um ambiente de tamanha beleza?





Essa resposta é fácil, o que não é fácil é mudar o grave quadro social que teima em se perpetuar por lá. Ao mesmo tempo, os recursos naturais sofrem uma pressão indiscriminada por parte do turismo, o que prejudica o maior fator de atratividade do local e põe em risco especies ameaçadas de extinção.



Tenho lutado para que os líderes de governo, prefeituras, associações, secretarias de obras, ONGs e a própria comunidade se conscientizem com o tipo de desenvolvimento que eles realmente almejam. Tenho dado palestras sobre o assunto, tenho feito debates com a comunidade, tenho falado com representativos líderes locais. Elaborei um Plano de Desenvolvimento Turistico Sustentável para o município que contempla todas essas pertinentes questões que tenho retratado com tanta veemência.

Acredito que esse Mestrado vá me ajudar a transformar essa realidade na medida em que vai aperfeiçoar meus conhecimentos técnico-científicos necessários para catalisar essas mudanças. Percebi que só o comprometimento não é suficiente para fazer essas mudanças acontecerem. É necessário um embasamento teórico mais preciso aliado à experiência da prática do dia-a-dia nos mais diversos campos de estudo.

Será a Estrada de Santo Amaro o Melhor Caminho? (Português)



É fato que a criação e pavimentação de estradas sempre foi sinônimo de progresso. Locais isolados foram interligados a centros comerciais maiores, chegou luz, água encanada, produtos da cidade grande e caminhões trazendo no bojo a esperança de dias melhores. Porém, toda regra tem sua exceção. Todo progresso tem seu preço. A estrada traz com ela mazelas típicas das cidades grandes: acúmulo de lixo, pois a cidade anfitriã não está preparada para lidar com essa questão, ocasionando doenças; poluição sonora, visual; inchaço de bairros inteiros e a deterioração progressiva do meio ambiente., sem se falar de tantos outros problemas. Exemplos não faltam.

Eis a questão: construir ou não o pequeno trecho de 38 km de areia que liga Rosarinho, na margem da MA-402 (toda pavimentada e que liga São Luis a Barreirinhas, outra porta de entrada dos Lençóis Maranhenses) ao município de Santo Amaro do Maranhão, um santuário ecológico de imensuráveis riquezas, também outra porta dos Lençóis ainda mais preservada?

A verdade é que a estrada já está à porta de Santo Amaro. O que são 38 km de areia perto dos quase 160 km de lamaçal e piçarra que separavam o município da estrada asfaltada? As únicas “desvantagens” que vejo são o tempo gasto, que é um pouco maior até se chegar à Rosarinho e a falta de freqüência de toyotas, que ligam o município até a margem da BR. Mas isso se resolve com facilidade. Não são 60 minutos que os moradores podem ganhar com a pavimentação da estrada que a vida deles vai melhorar em muito. Se a população reclama de que o acesso é difícil por ser uma estrada onde só passam carros traçados, por que não se aumenta a freqüência de toyotas pelo local? Sugiro a criação de um grande Portal na entrada de Rosarinho , onde os carros de turistas ficariam estacionados e de onde se pegariam carros 4x4 até Santo Amaro.


Quem quiser ir com sua picape, paga uma taxa de entrada . Colocaria-se uma loja de conveniência e um posto de educação ambiental em que educadores instruiriam os visitantes com cuidados básicos em prol da preservação.



Novos empregos iriam surgir e impediriam-se que “farofeiros”, sem consciência ecológica, fossem visitar o local, deixando lixo e não gerando renda para o lugar pois, como vão e voltam no mesmo dia, geralmente trazem tudo de casa, sem consumir produtos locais. Ainda que a estrada fosse asfaltada, a população local (quem mais reivindica a estrada) não teria recursos para comprar veículos motorizados. Infelizmente, isso é um dado de realidade. Quem pode comprar um veículo, geralmente já o tem em forma de carro traçado. Afinal, para que e para quem é a estrada?


Um local como Santo Amaro do Maranhão, de imenso potencial turístico, de rara beleza, de locais ainda intocados pelo homem, não se pode dar ao luxo de ter esse pequeno trecho asfaltado sem ter em contrapartida um coerente mecanismo de proteção ambiental que possa gerar um verdadeiro progresso. O turismo, talvez a melhor alternativa de desenvolvimento para o município, (contanto que seja sustentável) tem nos atrativos turísticos a alma de seu negócio. É a perpetuação dos atrativos turísticos naturais que faz de Santo Amaro um local único, diferenciado, capaz de por si só gerar uma grande demanda. Quem é que vai querer se deslocar do interior de São José do Rio Preto, percorrer quilômetros e quilômetros de distância, trocar de avião, pagar uma soma alta em dinheiro, para ver uma beleza tão fantástica em estado de degradação? O charme é o caminho. São os obstáculos a vencer que fantasiam a mente dos visitantes.

É esse pequeno trecho, de acesso difícil, que separa Santo Amaro desse “ilusório progresso”. É o que faz de Santo Amaro o paraíso escondido dos Lençóis. É isso que separa Santo Amaro de um desenvolvimento desordenado, que gera especulação de terra, que polui, que destrói. É, portanto, a falta de estrada que trará progresso para Santo Amaro.

Entretanto, a não estrada também não é sinônimo de preservação e desenvolvimento. Um plano de desenvolvimento turístico sustentável é bem-vindo. Deve haver um Plano Diretor Urbano, apesar da pequena população local. Deve haver uma integração do turismo com outros setores da economia local, como por exemplo, a agricultura, extrativismo, setor pesqueiro, artesanato, para que essas atividades não deixem de existir e venham a pressionar o sistema turístico. É exatamente com o advento do turismo que a demanda por esses produtos aumenta. Evitam-se também os picos e baixos ocasionados pela sazonalidade turística. Uma arquitetura harmônica com a natureza local (feita com produtos da terra) não só não agride o ambiente como gera renda e empregos, pois cria um efeito multiplicador na economia local. O dinheiro da palha de buriti é vendida por seu Quincas à pousada de seu João que comprou um quilo de farinha da dona Maria, que comprou um quilo de pescado do seu Rodrigues que comprou uma dose de cachaça do seu Docas (uma dose, pois ninguém é de ferro. Que vá pro Santo, de preferência o Amaro) e assim por diante.

Enfim, é mais do que hora de se pensar em não se asfaltar essa estrada. A conscientização da população para esse imenso risco, bem como a participação de ONGs, universidades e cartas como esta, ajudam e pressionam os líderes locais a tomarem a decisão mais coerente: a do bom senso.